Fatores Que Determinam Altos Rendimentos da Soja

 

O que faz alguns agricultores produzirem muito bem e outros nem tanto, se a oferta de tecnologias para ambos é a mesma?

Talvez a postura diante das tecnologias seja o que faz a diferença. O uso de informações para curto prazo, a comodidade, o não interesse em novos procedimentos, a ausência de um engenheiro agrônomo, o não entendimento holístico dos processos produtivos e outras posturas podem justificar os diferentes rendimentos entre os agricultores.

Todos os trabalhos dirigidos para mostrar o potencial máximo de rendimentos da soja são executados nas seguintes condições:

1- Adoção de sistema de plantio direto: Essa tecnologia potencializa e sustenta qualquer outra. Além de preservar a qualidade dos solos, fornece formas para maximizar o uso de adubos, protege as plantas contra os efeitos da estiagem e do calor, aumenta o teor da matéria orgânica, controla naturalmente as plantas daninhas e condiciona o ambiente para que se tenha o ciclo normal das diferentes cultivares de soja.

2- Correção do perfil do solo: A quantidade de cálcio, principalmente, distribuída uniformemente na profundidade dos solos, significa melhor desenvolvimento radicular com consequente aproveitamento da oferta de nutrientes, maior resistência a seca e a acidez dos solos.

3- Ajuste da adubação para o potencial produtivo esperado: Quantidades e formas de adubos deve sempre, ser definidas em função de resultados de analise de solos e também em função das necessidades das culturas que compõem os diferentes sistemas produtivos.

4- Utilização de cultivares produtivos e adaptados a região: A estabilidade de produção, bem como a resistência ou pelo menos a tolerância a algumas pragas e doenças, são itens que podem determinar melhores rendimentos.

5- Arranjo espacial de plantas: A soja é uma espécie que apresenta uma grande plasticidade quanto ao arranjo espacial de plantas, variando o número de ramificações e de vagens e grãos por planta e o diâmetro do caule, de forma inversamente proporcional à variação na população de plantas. Variações entre 200 e 500 mil plantas/ha, normalmente, não influenciam o rendimento de grãos ou faz muito pouco aumentando ou reduzindo, dependendo de diversos fatores.

6- Controle de plantas daninhas, pragas e doenças: No caso de pragas com o Manejo Integrado de Pragas (MIP), agricultores que o praticam têm conseguido efetivo controle das pragas com reduções significativas de custo.

7- Zelo do produtor na condução da lavoura desde a semeadura até a colheita: A presença de um engenheiro agrônomo na tomada de decisões, bem como no acompanhamento da lavoura, é fator fundamental para maximizar efeitos de determinadas tecnologias.

Esse conjunto de sete itens são normalmente praticados nos campos onde a soja tem atingido mais de 7000 kg/ha.

Por Áureo Lantmann - engenheiro agrônomo, foi pesquisador da Embrapa Soja e é consultor técnico do Soja Brasil desde a primeira edição, safra 2012/2013

 

Fonte: Canal Rural


 
HOME APRESENTAÇÃO CADASTRE AQUI SEU IMÓVEL CONTATO CADASTRO AJUDA FACEBOOK
Consultor em Agronegócio.
66 3405-5060 / 9961-3066 - Barra do Garça
www.fazendasmatogrosso.com.br
 
contato@mauromelo.com.br
Consultor de Negócios: Mauro Melo
Telefones: (66) 9961-3066 / 3405-5060
CJ 12432 CJS1165
Fazendas Mato Grosso - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por EquipeA.com.br